Resenha Espírita
Brasília/DF - Brasil
Edição: Dezembro/2009
Última atualização: 29/janeiro/2010
Página Inicial

Bilhete de Natal

Meu amigo, não te esqueças,
Pelo Natal de Jesus,
De cultivar na lembrança
A paz, a verdade e aluz.

Não olvides a oração
Cheia de fé e de amor,
Por quem passa, sobre a Terra,
Encarcerado na dor.

Vai buscar o pobrezinho
E o triste que nada tem...
O infeliz que passa ao longe
Sem o afeto de ninguém.

Consola as mães sofredoras
E alegra o órfão que vai
Pelas estradas do mundo
Sem os carinhos de um pai.

Mas escuta: Não te esqueças,
Na doce revalação,
Que Jesus deve nascer
No altar do teu coração.

Casimiro Cunha,
Antologia Mediúnica do Natal, 40,
Psic. Chico Xavier, ed. Feb, 2ª ed. 1982

Museu de Arte Contemporânea - Niterói/RJ - © Adilson Rego

Joanna de Ângelis

Sublime Natal






Emmanuel

Mestre e Aprendiz






Meimei

Natal do Coração
Celso Martins

Foi em 1985. Li num jornal esperantista que se edita na Bélgica esta anedota. Numa passagem de nível em dada cidade européia um trem atropela mortalmente um cidadão. Fez-se aquele tumulto que você pode imaginar: bombeiros, ambulância, polícia, curiosos, jornalistas. Um moço se aproxima de uma senhora mãe de família e pergunta: - O que aconteceu? Resposta da matrona: - Não foi nada grave, não. Apenas morreu um negro distraído!

Editorial Obras Básicas Matérias Entrevista Quadrinhos Links Arquivo

Fale conosco: resenha@resenhaespirita.com.br